BLOG / Vídeos

Design de joias: 9 nomes de criadoras brasileiras contemporâneas para ficar de olho (e usar!)

Faz tempo que queremos escrever esta matéria para você, percebendo a evolução de estilo e qualidade da joalheria brasileira autoral. Por isso, como colaboradora especialista em ourivessaria, abracei o desafio de realizar uma curadoria de nomes contemporâneos com peças acessíveis e interessantes, para usar e vestir!

➡️ Clique aqui e participe da lista de transmissão no Whatsapp da DW! 

O recorte especial inclui apenas mulheres por um motivo especial: o ofício esteve na mão dos homens por décadas e tal conhecimento se manteve por muito tempo restrito, passado através de gerações, muitas vezes, em família. Porém, no último século, a presença das designers de joias, joalheiras e ourives mulheres vem crescendo, e seus fazeres incríveis valem ser reconhecidos pelo grande público.

Antes de tudo, o red carpet

Você sabia, por exemplo, que no campo da alta joalheria, a modelo italiana Elsa Peretti (1940-2021) criou peças biomórficas e minimalistas para a Tiffany&Co.? E, para a mesma joalheria, além da maison de Yves Saint Laurent, Paloma Picasso impôs seu estilo com peças inspiradas na cultura e com pedras coloridas. Além delas, há alguns anos, a designer Lorraine Schwartz (@lorraineschwartz) captura olhares ao adornar as orelhas, pulsos, pescoços, cabeças, mãos e outras partes do corpo de celebridades como Beyoncé, Blake Lively, Lizzo, as mulheres do clã Kardashian e Adele com suas joias.

Colar e anel com esmeraldas e brilhantes em ouro branco e amarelo, assinados pela joalheira Reny Golcman | Foto: reprodução @renygolcman

No Brasil, há também grandes joalheiras em diversos períodos da história. Entre as pioneiras na Joalheria Moderna e Contemporânea, estão a berlinense radicada no país, Ulla Johnsen Krauel (1925-2021) – premiada na Bienal de São Paulo em 1973. Outro nome importante é a artista Reny Golcman (@renygolcman), ainda na ativa e que inicia seus estudos na década de 1960, enfrentando preconceitos e criando uma joalheria sem concessões, conectada à arte de forma explícita.

E se hoje vamos elencar novas criadoras, isto é possível também pelos passos de profissionais que vieram antes e que primaram pela abertura e a disseminação do conhecimento de bancada nas escolas. Nos anos 80, um desses lugares foi a Oficina, da artista Miriam Mirna Korolkovas (@mmkorolkovas), que também é joalheira e usa seu corpo como suporte de peças de arte. Outra incentivadora do conhecimento sobre joalheria é Paula Mourão, filha do joalheiro e professor Caio Mourão, que produz joias urbanas com alma carioca, como o apontado no site do Atelier Mourão (@ateliermourao).

Contemporâneas

Beatriz Brennheisen

Beatriz Brennheisen é inspirada pela natureza, pelos mitos antigos e pelo futuro para criar suas peças de arte para vestir. Recortes femininos, elementos derivados do Art Déco, cogumelos voluptuosos e cristais esculpidos em metal são alguns dos elementos que podem ser vistos em suas joias.

Anéis brutos com pedras naturais, assinados pela artista Beatriz Brennheisen, em ensaio que faz homenagem à cantora Rita Lee | Foto: Reprodução @brennheisen
Carol Bergocce

Carol Bergocce entrou no mundo da joalheria em 2014 e, quatro anos depois, passou a se dedicar à joalheria artística/contemporânea. Ela costuma descrever seu trabalho como sócio-político, por abordar questões dessa ordem. As peças são feitas à mão, em séries limitadas.

Bracelete ‘O que cabe no abraço’, de 2018, exibido na II Bienal Latinoamericana de Joyería Contemporánea, é assinado por Carol Bergocce | Foto: Reprodução @carolbergocce
Eduarda Brunelli

Com a label que leva seu nome lançada em 2014, a designer de joias Eduarda Brunelli teve contato com a joalheria já aos 16 anos e trabalhou em uma das marcas mais tradicionais do Rio Grande do Sul. Ouro amarelo e pedras naturais estão entre seus materiais preferidos, e as peças misturam traços minimalistas e formas orgânicas.

Anel da coleção Savannah, assinado por Eduarda Brunelli, em osso esculpido, pedras naturais e ouro 18k | Foto: Reprodução @eduardabrunelli
Estúdio Éter

Daiana Dalfito é uma das colaboradoras do time de Conteúdo da DW! – que escreve este post especial! – e estuda ourivessaria desde 2016. De lá para cá, montou seu ateliê, Estúdio Éter, e entrou em contato com o trabalho de muita gente boa, criativa e com olhares que ultrapassam a estética. Faz das joias acessórios que contam histórias para além das que vão ser entremeadas por usos e afetos.

Anel-escultura Farol, em prata 950 e pérola, com projeto e execução 100% manual do Estúdio Éter | Foto: Leopoldo Vasselo. Reprodução @estudio_eter
Eleonora Hsiung

Do Goiás, a designer Eleonora Hsiung voltou inquieta de uma viagem à Europa em 2009. Aí nasceu a marca e o ‘modo singular de concepção e produção de suas statement jewelry. Criadas a partir de devaneios em papel, chapas ou o que quer que possa ser moldado’, de acordo com o site do ateliê.

AdmirÓ é a nova coleção de Eleonora Hsiung Ateliê, com dez peças escultóricas com banho a ouro | Foto: Reprodução @heleonorahsiungatelie
AdmirÓ é a nova coleção de Eleonora Hsiung Ateliê, com dez peças escultóricas com banho a ouro | Foto: Reprodução @heleonorahsiungatelie
Esperança Leria

Esperança Leria é arquiteta por formação e em 2018 mergulhou no mundo da joalheria. A artista afirma que ‘circular entre os campos da arte, design e artesanato me desafia e me envolve como uma dança’. E ela o faz experimentando materiais, cores, sobreposições e texturas.

O acrílico é um dos materiais explorados nas peças de Esperança Leria. Nos anéis da série Luz D’Água, ele pode vir em versões translúcidas ou opacas e combinado à prata | Foto: Reprodução @esperancaleria
Luisa Velludo

Partes do corpo, signos zodiacais, elementos geométricos e afins atravessam as criações poéticas da designer de joias Luisa Velludo. Seu interesse pela joalheria se moldou na faculdade de arquitetura, por meio de um professor de ourivesaria. A artista cria peças em múltiplas identidades, que expressam seu viver de diferentes formas.

Pingente Impulso com 6cm, feito sob encomenda pela designer Luisa Velludo | Foto: Reprodução @luisavelludo
Tatiana Queiroz

As criações de Tatiana Queiroz seguem linhas arquitetônicas e formas orgânicas e escultóricas. Em busca de uma linguagem contemporânea, a designer investiga processos químicos e técnicas artesanais a serem aplicadas aos metais e a outros materiais.

Bracelete Taziri, assinado por Tatiana Queiroz, faz parte da coleção Berber e pode receber acabamento com banhos de ouro, prata, níquel e ônix | Foto: Reprodução @__tatianaqueiroz
Tissa Berwanger

O trabalho da joalheira Tissa Berwanger talvez possa ser caracterizado por duas palavras: preciso e meticuloso. Formada em design de produto no Brasil e em design com metais preciosos na Zeichenakademie Hanau, Alemanha, trabalha com produção artesanal de alta precisão. Em 2016, recebeu o IF Design Award, na categoria de Produto-Joalheria, com as tarraxas cilíndricas O-NUT, que vêm sendo aprimoradas desde 2007.

O colar Bienenkönigin (2011), inspirado na Abelha Rainha, foi feito 100% à mão em prata 925 com fecho em ouro branco 18K, por Tissa Berwanger | Foto: Reprodução @tissaberwanger

Gostou do conteúdo? Quais outras designers de joias poderiam fazer parte desta lista? Deixe seu comentário para criarmos mais materiais como este! Para receber notícias sobre o universo do design em primeira mão, assine a newsletter da DW!

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DW! SP 2024

Cadastre seu e-mail para receber notícias exclusivas do festival e do universo do design, arquitetura e decoração:

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!


    Você poderá cancelar a assinatura a qualquer momento.

    Consulte nossa política de privacidade.